Srila Atulananda Acharya

perguntas e respostas


Por que Krishna criou este Universo?

Por que Krishna criou todo este Universo, tão complexo e inconcebível para nossas mentes, e por que colocou nossas almas nesse mundo?

Nos Vedas, se diz que Brahma, o criador do universo, só decidiu o criar quando supôs que ia estar destinado a despertar o amor por Deus.

Este universo é como um ventre do qual todas as almas que estão nele devem sair para amar a Deus. Assim como se espera que a criança que está no ventre de sua mãe nasça para amar seus pais. Esse modo, só o amor por Deus poderá nos tirar desse mundo.

Por isso, na Bíblia também se diz que Deus viu o mundo como bom, porque nos ia obrigar a amar o que é Supremo, pois se amamos o mundano e temporal, só vamos sofrer. Esta é em essência minha resposta a sua pergunta que tanto inquieta a muitos. Escrevi um artigo com o título “Mundo”, onde trato esse tema.


Um encontra a Krsna ou Krsna o resgata?

Quem encontra quem? Um encontra a Krsna ou Krsna o resgata?

Sridhar Maharaj disse: “Temos conhecido Krsna porque Ele está em uma busca desesperada atrás de seu servo perdido”.

E graças a isso é que nós estamos aqui, ou se não nós poderíamos seguir vendo televisão, se não, juntaríamos dinheiro para uma tela maior, não mais, ficaríamos esperando que venha a tridimensional e todo esse tipo de loucuras.


O que pedir à Deidade?

Quando alguém dirige uma oração à Deidade, o que deve pedir? Parece-me um pouco atrevido pedir amor puro.  Será serviço, humildade ou amor? Uma vez que está necessitado de muitas coisas, mas às vezes nem mesmo chega a identificar as necessidades em sua vida.

Tudo isso é válido, o amor puro que purifica nosso coração permite-me ser seu servo rendido, ser um instrumento de Krsna, um dasa. Você também pode pedir à Deidade, dependendo das circunstâncias.

Pode até estar financeiramente angustiado, pode estar doente, pode estar sofrendo por alguém, quer pedir por alguém, você também pode fazer isso, ainda que na realidade não costumamos muito fazer isso, preferimos deixar tudo nas mãos de Krsna, porque Ele sabe tudo.

Um exemplo é quando os semideuses vão até Krsna e lhe dizem “Tu sabes tudo, mas é nosso dever informar-te: acontece isso, acontece aquilo”, então um também tem a necessidade psicológica, digamos, de expressar a Krsna, me acontece isso, me acontece aquilo, ainda que sei que Tu o sabes porque estás em meu coração, Tu sabes perfeitamente tudo.


Como a alma foi criada?

Quando se criou a alma e por quê? Se nós reencarnamos várias vezes como consequência de nosso karma, quando começou esse ciclo? Porque temos que sofrer, se Deus criou a alma no princípio de tudo? 

Essa é uma pergunta muito comum, talvez a mais típica de todas. Justamente ontem um jovem questionou com outros termos a mesma coisa, o ponto era o mesmo. Eu lhe disse que essa pergunta não tinha muito sentido, que não nos servia para muita coisa porque na realidade nós não entendemos muito de nada e a finalidade não é entender tudo o que Deus faz e sim amá-Lo com fé.

Gurudeva Paramadvaiti disse uma frase que me pareceu genial: “Querer entender Deus vai contra ao que Deus significa”.

Os que perguntam isso, em geral, não estão satisfeitos com esse mundo ou criação e isso é muito bom, daí então que vão ao outro mundo do êxtasis, isso é tudo. Fomos criados por amor e esse mundo é para crescer. Se já queríamos nascer no paraíso é porque não queremos trabalhar por esse amor. Pensamos que amor significa não dar trabalho, mas o Guru nos dá muito trabalho e quando uma pessoa não tem trabalho se sente frustrado.

Se alguém vê esse mundo como um lugar de dor é pela graça de Krishna e por isso pode avançar e deixar esse mundo para trás, disso se trata na realidade. Queremos receber o amor de Deus, mas sem amá-lo. Queremos ser criados diretamente no paraíso, mas aqui também é o paraíso se quisermos serví-Lo e se somos humildes e nos apegamos aos vaisnavas. Esse mundo nos obriga a crescer, do contrário existirá dor, por Ele o mundo é bom. Porque Krishna assim deseja, o mundo deve ser bom.

Eu disse a esse garoto ontem, não se trata de questionar o que Deus fez. Como fez está perfeito, trata de aceitar e assim você terá a compreensão sã e correta. Não devemos pensar: eu teria feito de outra maneira, melhor que Deus. Seria absurdo, já do começo é uma besteira pensar assim! Uma vez agradeci por ter vindo a esse mundo, senti que Krishna nos havia mandado a uma dura escola para aprender a amar. Ele enviou seus próprios porteiros para brincar com Ele (passatempo de Jaya e Vijaya). Ele mesmo vem aqui a nos salvar, a dar néctar. Sua presença está aqui, Seu néctar, Seus devotos.

Este mundo não permite que Krishna seja enganado, quem não quer serví-Lo terá que sofrer. Não pense muito, se renda. Santa Teresa dizia: quanto menos entendo, mais creio. A grandeza de Deus consiste justamente nisso. Não é para entendê-Lo, é para adorá-Lo. Os que se rendem a ele encontram que essa rendição está em todas as respostas, tudo se torna claro. Esse mundo é escuro, mas Krishna nos dá um caminho para sair em direção a luz – e esse caminho não é se perguntar “porque não fez de outra maneira, de um jeito em que eu não tivesse que trabalhar, que eu não tivesse que lutar contra meus anarthas e nada mais?”. Assim, queremos um amor grátis dado de presente.

Pensamos que as Gopis têm um amor grátis, grande erro. Elas choram dia e noite por seu amor, isso sabemos bem. Quando lemos é bem bonito, mas quando você vive isso é bem forte. Agora oramos para poder chorar por esse amor, oramos para alcançar esse nível, e chorar não porque tenho que pagar as contas, porque faz frio ou porque minha esposa me deixou. E quando chorarmos por esse amor, veremos que é algo muito forte.

Lalita e Visakha pensam que Sri Radha vai morrer e não é brincadeira. Aqui choramos por uma dor de barriga, mas lá choraremos por uma dor do coração – então preparem-se!

Sem espírito de sacrifício tudo será uma dor insuportável. Se aqui há um espírito de sacrifício você pode tolerar esse mundo e muitas vidas, mas se só quer desfrutar, nem os passatempos de Krishna serão atrativos o suficiente, e você irá querer o vazio ou brahman. Por isso seguimos a linha de Srila Prabhupada e Srila Sridhar Maharaj e estamos bem assim, não estamos na linha do desfrute.

Assim, a origem da alma é amor e amor é um contínuo crescimento, é um contínuo morrer para viver, é um contínuo descobrir: minha vida fracassou, minha existência inútil, não consegui amar, não posso dar mais do que recebi, sou um endividado em crescimento acelerado. Mas quando um quer receber mais do que dá, fica doente e se torna um comerciante da alma, do amor – e não entende nada e pergunta: “Porque Deus me criou? Só para sofrer?”.
Não, Deus te criou para que você jamais sofra, mas isso não é para preguiçosos, egoístas e luxuriosos. Por isso a dor é tão boa, porque não permite que você seja ruim. Quando sabemos que alguém está sofrendo, ficamos contentes porque sabemos que essa pessoa vai começar a se comportar bem, vai se aproximar de Krishna. Assim pensamos.

O ponto é que não devemos pensar tanto: “porque fez assim?” e sim pensarmos “que devo fazer?” Se essa pessoa faz o que Deus lhe pediu vai compreender tudo com mais clareza e não vai se queixar tanto porque não pode desfrutar. Ao contrário, vai se queixar por ter feito Deus sofrer.

Se Deus te deu muito pouco e te pede muito, isso é bom, é uma grande oportunidade de desenvolver um grande amor. Se é preciso te dar muito para que você dê um pouco, ou para que também dê muito em troca, isso é comércio. Por isso acredito que essa pessoa deve estar agradecida por ter sido enviada a esse mundo onde pode entregar sua alma a Deus com todo amor e rendição apesar de ter sido enviada a um lugar que não era o melhor. Krishna pensará: “envei ele ao mundo material, ao inferno e segue me amando, ele Me conquistou!”. Isso aconteceu com Bali Maharaj, um mahajana. Desse modo, sejamos mahajanas (grandes personalidades eternamente liberadas) e não chorões por não ter as coisas fáceis. Além disso, se não temos tão facilmente é porque Krishna sabe da grandeza da alma, a grandeza de seus átomos. Tanto se pode dizer a esse respeito que justamente meditando nesse tema escrevi uma espécie de artigo ou poema chamado “Mundo”.

Em resumo, a resposta a isso é: AMOR. O ponto agora é ter esse AMOR e essa é a eterna tarefa do Bhakti. Um eterno questionamento: “por quê Krishna fez isso e essa outra coisa?” Essa pergunta aparece inclusive no Brihad Bhagavatamrtam. Vemos mesmo Uddhava, Balaram e Subhadra discutindo esses temas. Vemos as próprias Gopis com essa pergunta em seus santos lábios. Esse é Krishna,acintya, não é barato, pouco para a mente e inteligência, muito para o coração.

Obs.: Os que se perguntam “por quê Krishna nos enviou para sofrer nesse mundo?”, significa que ele se deu conta que todos sofrem nesse mundo e isso já um grande avanço. Srila Prabhupada disse que quando alguém se pergunta “porque sofro?” aí começa sua vida humana. Então ao invés de se chatear com Krishna por ter criado esse mundo, essa pessoa deveria perceber que está sendo convidada por Krishna para ir até o mundo superior. Esse mundo não é tão mal porque nos prepara para o mundo superior. Antes fazer essa pergunta as pessoas na verdade não sofreram muito, estão num estado de anestesia. Mas assim que perceberem que tudo é sofrimento Krishna aparecerá em suas vidas chamando através de alguma religião e começará a consolá-los.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s